A Casa de Vidro. Lina Bo Bardi

Texto e imagens do livro
FERRAZ, Marcelo Carvalho (Org) Lina Bo Bardi. São Paulo: Empresa das Artes, 1993. P.78 e seg.

CASA DE VIDRO

São Paulo 1951

A casa Bardi foi a primeira casa que se construiu n o “Jardim Morumby”, quando o bairro ainda tinha este nome (antiga Fazenda de Chá Muller Carioba). Era uma grande reserva de Mata Brasileira, cheia de bichos selvagens: jaguatiricas, tatus, veadinhos, preás, sariguis, preguiças… Era também uma reserva de pássaros. aparecendo durante o dia almas de gato, peiticas, sabiás-laranjeira e sabiás-pretos, anús, bem-te-vis, anhambus, juritis, seriemas, e à noite: curiambós, caborés, corujas e outras aves noturnas. Muitos sapos e gias cantavam à noite. Havia também belíssimas cobras e muitas cigarras .



Atrás da antiga Casa da Fazenda toda branca e azul, que conservava a inda os ferros e as correntes do tempo da escravidão, e os enormes tachas, bacias de cobre e outros utensílios, e atrás ainda da senzala cor-de-rosa e das grandes figueiras, estendia-se o lago, ladeado de araucárias, com uma Mata Atlântica  ao fundo, cheia de orquídeas e plantas raras . Um enorme silêncio e muitas lendas populares envolviam a casa grande e a mata: lendas de índios (por ali foram encontrados utensílios de pedra), de escravos e de jesuítas, especialmente nos confins d a Vila Tramontana onde, na capelinha dedicada a São Sebastião, reunia-se o povo do Real Parque para o leilão de prendas que ocorria a cada primeiro domingo do mês.

A casa, chamada pelo povo do Real Parque e do Brooklin de “Casa d e Vidro”, foi construída em 1951. É um exemplo daquilo que se podia realizar com o antigo Código de Normas Brasileiro (muito elogiado pelo grande engenheiro italiano Pier Luigi Nervi quando esteve no Brasil ) e hoje modificado conforme as normas européias o que  tornaria esta estrutura, hoje proibida .

O engenheiro Tullio Stucchi executou os cálculos estruturais da casa, toda em cristal, sendo a estrutura vertical constituída por tubos Manessmann e simples tubos d e Eternit e a estrutura horizontal de concreto armado. O conjunto resultou “trés elegante” como disse o arquiteto Max Bill quando de sua v sita ao Brasil, e Saul Steinberg (ele foi hóspede da casa por ocasião de sua exposição no Museu de Arte de São Paulo, em 1952) declarou “É uma casa poética”.

Foto de 1951

A casa foi visitada por muitas pessoas de São Paulo e do interior, e teve grande repercussão internacional.

Hoje a casa representa, com seu resto da antiga mata brasileira, uma lembrança poética daquilo que podia ter sido uma grande “reserva”, o grande Parque da Cidade, com suas plantas valiosas e seus bichos, com a pequena capelinha (mal restaurada e que podia hoje se recuperar), com seu Real Parque, residências alegres de pessoas humildes e pobres, mas proprietárias das casinhas .simples e de alegres quintais, exemplo de conjunto popular que  denuncia as atuais soluções do problema habitacional, e a dramática ausência de um Plano Diretor n a cidade de São Paulo.

Pietro Maria e Lina Bo Bardi na Casa de Vidro.


Anúncios
Esse post foi publicado em Arquitetura de São Paulo, Movimento Moderno e marcado , . Guardar link permanente.

Uma resposta para A Casa de Vidro. Lina Bo Bardi

  1. Sebastião Nogueira disse:

    Trabalhei com o Dr. Tullio na Promon Eng. s/a , excelente profissional e amigo e conterraneo de cidade. Feliz escolha para seu calculista.Parabens

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s